André Kondo


Biografia

André Kondo é autor de dez livros, sendo nove premiados, incluindo “O pequeno samurai”, finalista do Prêmio Jabuti e M. H. no Prêmio João-de-Barro. Recebeu mais de 200 prêmios literários, com textos publicados no Brasil, Portugal e no Japão. Viajou por mais de 60 países em busca de inspiração. É o atual vice-presidente da Academia Nipo-Brasileira de Escritores e membro correspondente da Academia Taubateana de Letras e ASES - Bragança. Também é editor da Telucazu Edições. Ministra oficinas e palestras literárias em vários estados. 

Blog: www.andrekondo.blogspot.com.br


Obras:

Além do Horizonte
Amor sem Fronteiras
Contos do Sol Nascente
Cem Pequenas Poesias do Dia a Dia
Jabuti sabe voar?
Palavras de Areia
Alguém viu minha mãe?
O Pequeno Samurai
Contos do Sol Renascente
A peregrinação das folhas caídas


Textos de André Kondo

O hashi

Ozaki aparava, com maestria, as varetas de bambu. Para ele, a suave textura dos hashis tinha a missão de realçar o sabor dos alimentos, que os dois pequenos pedaços de bambu levariam aos lábios. Sendo o alimento sagrado, o objeto utilizado para conduzi-lo à boca também deveria ser. Assim pensava Ozaki. Porém, esse era um solitário pensamento.

— Por que continua com essa tarefa? Hoje em dia, os hashis podem ser produzidos aos milhares por minuto nas fábricas... Ninguém mais dá valor aos hashis artesanais — contestavam os vizinhos.

Como o bambu que se curva ao vento, Ozaki concordava. Porém, assim como o bambu, passada a ventania, voltava à antiga posição.

Na pequena oficina onde fabricava seus hashis, Ozaki trabalhava com afinco. Todavia, não produzia mais do que um par por semana. Uma quantidade ínfima, considerando-se que o bambu não era um material difícil de se trabalhar. Mesmo assim, Ozaki alisava os seus hashis como quem busca a textura da seda. Entalhava as ranhuras das pontas, para maior precisão no futuro manejo dos alimentos. Pintava os delicados detalhes das extremidades superiores. Soprava delicadamente para dar movimento às pequenas pétalas representadas, como se houvesse mesmo brisa em suas peças. Findo o trabalho artesanal, quando o sol amenizava, percorria as ruas asfaltadas em direção ao único lojista que ainda tentava comercializar a sua produção.

— Ainda não vendi sequer um hashi. Será que não está na hora de... — o comerciante tentou aprisionar as palavras, mas as libertou — abaixar o preço?

— Qual valor sugere? — perguntou Ozaki, desgostoso.

Houve época em que os hashis de mestre Ozaki eram valorizados como peças finas e caras. A poderosa família Murakami comprava quase toda a produção, presenteada aos visitantes como peças de grande valia. Os que desconheciam a maestria de Ozaki e o requinte dos Murakami podiam até se sentir ofendidos pelo presente tão simplório; pois na habitual troca de agrados, davam-lhes produtos laqueados de rara beleza, utensílios banhados a prata e até a ouro. Em troca, recebiam pedaços de bambu, em caixinhas de madeira sem verniz. Porém, se os honoráveis Murakami valorizavam tanto os hashis de Ozaki, algum valor oculto eles deviam possuir. O que ninguém enxergava era o que a família Murakami conseguia vislumbrar nos hashis de Ozaki: alma. De qualquer forma, outros tentavam imitá-la, comprando os hashis apenas para exibí-los como símbolo de status.

Todavia, a fortuna dos Murakami se esvaiu, quando a sociedade passou a não mais necessitar de seus requintados quimonos de seda, fabricados pela família, artesanalmente, há gerações. Os Murakami faliram e ninguém mais desejava pagar tão caro por meras varetas de bambu. Aparentemente, os valores mudam com os tempos...

— Perdoe-me, Ozaki-san. Discuto o preço porque, desde o fim dos Murakami, a procura pelos seus hashis vem diminuindo. Neste ano, não foi vendido sequer um único par.

Ozaki sabia o valor de cada par de hashi que produzia, pois havia dedicado o seu melhor para a confecção de cada um deles. Infelizmente, o valor dado pelo homem a qualquer coisa é medido em dinheiro.

— Nunca abaixarei o valor do meu trabalho!

— Ozaki-san, sempre conversamos sobre coisas passadas, da época em que minha loja era a maior de todas e esta rua a mais movimentada... Mas, agora, é preciso ver que as coisas mudaram. Poucos entram em minha loja, menos ainda compram alguma coisa... E, lamento, mas ninguém compra os seus hashis.

Ozaki ponderou, porém, mesmo envergado, voltou à sua posição:

— Quando um homem não valoriza o que faz, acaba não se valorizando. Quando um homem diminuiu o seu valor, acaba diminuindo o valor de sua vida. Quando a vida perde o valor, que sentido há em vivê-la?

Nesse instante, um garotinho maltrapilho entrou, timidamente, na loja. Ele tinha em mãos um par de moedas. Com os olhos acesos, percorria os objetos dispostos no balcão empoeirado. Parava diante de algo. Olhava para o preço, olhava para o seu par de moedas, fugia com os olhos para outro lugar. Repetiu a cena várias vezes, desanimando cada vez mais, até que seus olhos se apagaram.

— Posso ajudá-lo? — perguntou o comerciante.

— Não, obrigado — respondeu o menino, já saindo.

— Espere — interrompeu Ozaki. — O que deseja?

— Eu só queria dar um presente para o meu avô, mas... Carreguei algumas sacolas para as senhoras na feira e elas me deram estas duas moedas. É o primeiro dinheiro que ganhei na vida. Por isso, queria comprar um presente para o meu avô, que cuida tão bem de mim... Mas não sabia que as coisas eram tão caras...

— Quem sabe você não se interessa por este par de hashis?

O comerciante olhou para Ozaki com estranheza. Os olhos do menino, ao verem os hashis, voltaram a brilhar.

— Quanto custa? — perguntou o menino, receoso.

— Duas moedas — respondeu Ozaki.

O menino abriu um sorriso, estendendo rapidamente as moedas.

— Qual é o nome de seu avô? — perguntou Ozaki, entregando os hashis.

— Murakami-san! — respondeu o menino, saindo correndo em seguida, animado com o tesouro em suas mãos.

O dono da loja comentou:

— Estou orgulhoso da sua atitude, Ozaki-san! Diminuiu o valor de seus hashis apenas para que o menino pudesse comprá-los!

— Não diminuí o valor de nada — contestou Ozaki. — Pelo contrário, o valor de meus hashis foi em muito elevado!

— Mas o preço de seus hashis era muito maior do que duas moedas...

— A atitude daquele menino é a coisa mais valiosa do mundo. Posso até afirmar que nem todos os hashis que fiz em minha vida valeriam tanto assim!

Ozaki sorriu, satisfeito por ter reconquistado o seu valor.




Conto retirado do livro "Contos do Sol Renascente".